AirPods

Um dos casos de maior sucesso entre os produtos Apple são os AirPods. Andam nas “orelhas do mundo” desde 2016 e são responsáveis por muitos milhões de dólares de lucro.

São indubitavelmente um dos meus produtos preferidos da Apple, por tudo o que me providencia em tão pouco tamanho.

São práticos, bonitos, de qualidade e com todos estes e outros benefícios acabam por sair baratos face ao binómio custo/benefício. Já dizia o ex-selecionador nacional de futebol, Scolari, que “o bom não é caro, caro é aquilo que é fraco”.

Quando em setembro de 2016 foram apresentados ao mundo, tiveram em palco pouco destaque e eram considerados meros acessórios do então modelo de topo, iPhone 7 e 7 Plus. Com a extinção do conetor 3.5 tornava-se útil um equipamento do calibre dos AirPods.

Atualmente, depois de atualizados e de conhecerem uma versão Pro com Cancelamento Ativo de Ruído, continuam o seu caminho de sucesso.

Recentemente, Greg Joswiak VP de Marketing da Apple revelou alguns pormenores dos bastidores dos AirPods, um “best seller” da gigante de Cupertino.

Assim, Joswiak começa por assumir que o sucesso foi imediato “foi quase como um relâmpago, dada a velocidade com que se espalhou”. Mais ainda, referiu que “correu ainda melhor do que esperávamos”.

Com efeito, o VP de Marketing da Apple registou que a intenção de criar uns earphones sem fios vem já desde o tempo da criação do primeiro iPhone. A Apple tem desde há muitos anos uma ideia concetual de uma linha de produtos sem fios, sempre que possível.

Contudo, uma boa parte deste sucesso deve-se ao facto de determinados pormenores terem sido exaustivamente estudados.

O trabalho para o sucesso dos AirPods

“Trabalhámos com a Universidade de Stanford para fazer o scan em 3D de centenas de orelhas, de diferentes estilos e formas, com o objetivo de obter um desing único que servisse o maior número de pessoas possível, visto ser um produto de tamanho único.” Com os AirPods Pro foi efetuado um trabalho semelhante, porém foi usada uma amostra de scans 3D ainda maior.

Oficialmente não sabemos quantas unidades de AirPods foram vendidas, todavia avança a Wired, estima-se que em 2019 foram vendidos cerca de 35 milhões de pares.

A Apple lançou a nova atualização de firmware 2D15 para os AirPods Pro. Que sucede a problemática 2C54 ou a anterior 2B588.

Não precisa de se preocupar em atualizar os seus AirPods dado que o processo é automático assim que os emparelha com o seu iPhone, depois de sair um novo update. Vale a pena é verificar se já estão atualizados acedendo às Definições> Geral> Sobre> AirPods.

Não se conhecem as mudanças que a Apple implementou com esta nova atualização de firmware, no entanto, esperam-se melhorias gerais a nível do emparelhamento e cancelamento de ruído.

A Apple criou um produto de sucesso aquando o lançamento dos AirPods de primeira geração com o chip W1, tanto que a empresa já lançou o modelo de segunda geração e uma versão Pro com outro chip, o H1, diferenciado os primeiros AirPods, dos dois modelos mais recentes.

Aliás, são produtos que além do sucesso comercial, também têm sido elogiados pela sua versatilidade, qualidade sonora na categoria ao qual estão inseridos, entre outros detalhes. Mas então faz alguma diferença o chip W1 usado nos AirPods de primeira geração, em relação ao chip H1 usado nos AirPods de segunda geração e nos AirPods Pro?

Apesar do chip W1 como o H1 terem propósitos semelhantes, como por exemplo o emparelhamento mais rápido de produtos áudio com dispositivos Apple, também funcionam com sensores embutidos. Incluem acelerómetro detetor de movimentos e detetor de voz. Como resultado, eles podem conectar ou pausar o áudio automaticamente. Noutras situações, os chips também têm a capacidade de se comunicar por Bluetooth.

Apesar disso, há efetivamente algumas diferenças entre eles. A primeira diferença, entre o chip W1 e o H1 tem a ver com o suporte  Bluetooth. O H1 suporta Bluetooth 5.o enquanto o W1 dos AirPods de primeira geração só suportam Bluetooth 4.2. Na prática, esta diferença permite que os AirPods com chip H1 embutido, consigam conversação prolongada por mais tempo.

O chip mais recente, também oferece uma conexão cerca de duas vezes mais rápida quando alterna entre dispositivos Apple, enquanto ouve áudio. Por exemplo, se está a ouvir áudio no iPhone, e pretende alternar para o iPad ou Mac, a conexão será mais rápida.

“Hey Siri”

Além disso, Com a chegado do chip H1 aos dispositivos áudio da Apple, finalmente chegou a integração com a Siri. Uma funcionalidade que oferece uma experiência auditiva muito mais envolvente. De tal forma que, com os comandos da Siri pode mudar de faixas, ajustar o volume, fazer chamadas, entre outras coisas, tudo com a sua voz sem necessidade de olhar para o iPhone.

Outra vantagem do chip H1 presente nos AirPods de segunda geração, face ao chip W1, é uma melhor gestão de energia. Com isso, e com todas as funcionalidades supracitadas presentes no H1, foi possível manter a mesma duração de bateria, que os AirPods de primeira geração com o chip W1.

Em conclusão, se pretende adquirir algum produto áudio da Apple, será mais sensato escolher produtos que tragam o chip H1 embutido. Pro exemplo, os AirPods segunda geração, AirPods Pro, Beats Solo Pro, ou Powerbeats Pro.

Poderá consultar algumas dicas para os AirPods num artigo dedicado. Para outras dicas fique atento ao iClub.

 

 

Nos últimos dias surgiram novos rumores sobre a chegada de uns novos AirPods Pro Lite, ou seja, uma versão com um preço mais em conta. Entenda melhor o que podem significar os rumores neste artigo!

O que se sabe sobre estes novos AirPods?

Como é um rumor bastante recente ainda não há muito detalhes, para além de se saber que deverão ser bastante semelhante aos AirPods Pro e que a sua produção arranca em breve. Quanto ao lançamento sabe-se que está estimado para meados deste ano (2020), e que poderá haver algum constrangimento a nível do stock inicial, devido ao novo surto do CO-VID19 (Coronavírus) na China, onde serão produzidas as unidades.

A possibilidade de se tratarem dos AirPods 3

Isto não passa de uma teoria da redação, mas que acho que é bastante plausível. Ora se os AirPods 2 estão entre 50€-100€ mais baratos que o modelo Pro, se este modelo é mais barato que os Pro, a lógica será de apresentá-lo como um sucessor dos AirPods 2 do que mais um modelo na linha, para gerar confusão.

Aliás se este modelo chegar sem recursos caros como o ANC (cancelamento ativo de ruído) e o modo transparência até se justifica que sejam mesmo os AirPods 3, uma oferta mais básica do produto. Ao nível do design ainda não se sabe se serão ou não parecidos à gama Pro, mas nós veríamos com bons olhos se assim fosse!

Como dissemos em cima, o lançamento destes novos AirPods está a ser avançado para meados deste ano, por isso aguardemos por mais informações de futuro. Aquilo que se sabe ainda é muito pouco neste momento. Mas já dá para ter uma ideia do que é que poderá vir por aí… Que provavelmente vai confirmar esta nossa teoria.

Deixe a sua opinião nos comentários! Você também acha que estes AirPods Pro Lite são na verdade os AirPods 3?