Testámos a próxima versão do iOS para iPhone

No passado 11 de junho foi apresentada, durante a WWDC, a próxima versão do iOS. Nesse mesmo dia, foi disponibilizada uma versão beta apenas para os programadores. Apesar de esta ser uma versão experimental, as principais funcionalidades e novidades devem manter-se inalteradas podendo, ainda, haver algumas correções ou modificações até à data de lançamento.

Esta review resulta duma experiência de utilização de duas semanas com o iOS 6, visando descrever algumas (novas) funcionalidades que considero importantes.

Instalação

A instalação decorreu sem problemas, aparentemente estava tudo a correr bem. Porém, ao efetuar o restauro notei a falta do indicador de sinal do 3G. Fiz, então, uma nova cópia de segurança, já com o iOS6 instalado e de seguida um clean install do iOS, para finalmente fazer de novo restauro com a última cópia de segurança efetuada. Resolvido este problema, reparei que não tinha mapas, nem na aplicação nativa nem em outra qualquer aplicação que usasse esse recurso. Por essa razão, optei por repetir o processo de clean install e fazer novamente um restauro com a última cópia de segurança. Finalmente, tudo a funcionar perfeitamente!

Central de Notificações

A Central de Notificações mantém-se quase toda igual, além dos novos botões Tweet e Publicar que nos permitem rapidamente escrever uma mensagem para o Twitter e Facebook. Apesar disso, penso que ainda estão para vir algumas funcionalidades, nomeadamente, uma função que permita publicar algo ao mesmo tempo tanto no Twitter como no Facebook, o que agora não acontece – ou rescrevemos a mensagem, ou recorremos ao velhinho Copiar/Colar.

No caso do Twitter, é possível agregar, ainda, a localização, enquanto no post do Facebook é possível não só agregar a nossa localização como também configurar para quem esse post será visível.

App Store

O design de toda a App Store foi alterado, desde o menu Em Destaque (Featured) que passa a ter uma navegação horizontal, ao aspeto de todos os ícones e barras de menu, como também à disposição de toda a informação acerca de cada aplicação.

No download e atualização de aplicações já não somos encaminhados para fora da App Store. É, sim, apresentada a barra de estado do download no próprio ícone dentro da App Store, podendo-se continuar a navegar dentro da mesma. Também, facilita a visualização das novidades da nova versão da respectiva app e, após a atualização, o botão que anteriormente dizia “Update” diz agora “Open”, sendo possível abrir a aplicação sem ter que ir ao ecrã inicial.

Uma das outras opções na App Store é a partilha de aplicações. Através do botão superior direito, é agora possível partilhar via e-mail, mensagem, Twitter, Facebook ou mesmo guardar para a galeria de fotografias (neste momento a funcionalidade ainda não está disponível, apesar de a opção se encontrar visível) e salvar o link direto para a aplicação na store.

Outra opção que surgiu com a parceria do Facebook foi a possibilidade de fazer “like” da aplicação na área de “reviews” aparecendo de imediato o like na nossa atividade, na timeline, com o link direto para a store.

Layout da câmara

O design da área de fotografia também sofreu alterações, passando dos tons de cinza na barra de menu interior para um tom mais negro.

A partilha de fotografias no Facebook está interessante, prática e rápida tal como já acontecia com o Twitter. Agora, é permitido ao utilizador escolher rapidamente o álbum de destino, bem como fazer o upload de mais que uma fotografia simultaneamente, ao contrário do que acontece com o Twitter. Mais uma vez, seria interessante adicionar uma opção que permitisse partilhar a mesma fotografia ao mesmo tempo, no Twitter e no Facebook.
Através da galeria também é possível aceder ao nosso Photo Stream, podendo-se eliminar, guardar na memória interna, partilhar, adicionar a um contacto, imprimir ou mesmo colocar uma imagem como papel de parede.

Ainda acerca do Photo Stream, agora é permitido aceder às fotos partilhadas por nós com outros utilizadores, bem como aceder às fotos que outros partilharam connosco, existindo ainda a opção de comentar as mesmas. Para todos estes cenários, existem notificações.

Safari

Relativamente ao Safari pouca coisa mudou. No que toca à velocidade parece-me igual, mas agora existe possibilidade de partilhar o link pelas vias normais e também via Twitter e Facebook. Os links adicionados à Reading List sincronizam rapidamente via iCloud, assim como os tabs abertos, o que pessoalmente dá bastante jeito pois não é necessário preocupar-me em abrir tabs antes de largar o Mac ou adicionar links para ler mais tarde via iPhone ou iPad.

Outra excelente funcionalidade foi o modo de ecrã inteiro quando se visualiza o Safari horizontalmente.

Mapas

Uma das grandes novidades apresentadas foram os mapas, mas para mim a desvinculação do Google Maps foi uma jogada bastante arriscada. De facto, já sinto falta do Google Maps e espero sinceramente que lancem rapidamente uma app para iOS, pois apesar de ainda estarem numa versão beta encontram-se bastante lentos em comparação com o tempo de carregamento na antiga aplicação de mapas suportada pela Google. Além disso, por vezes existem zonas que nem sequer carregam, apesar das estradas aparecerem no mapa. Ainda, o zoom aproximado na maior parte das zonas do nosso país encontra-se com uma resolução bastante baixa, e por vezes nem é possível visualizar nada.

Relativamente à opção 3D e opção de navegação turn-by-turn foi-me impossível testar pois o iOS encontra-se a rodar num iPhone 4.

Sons e chamadas

Mais um pormenor interessante, tem a ver com ser facultada a opção de personalização de vibração para os vários alertas no menu de “sons”, podendo assim ser escolhido um tipo de vibração para a chamada, outro para um tweet, outro para um aviso de evento, etc.

No entanto, existe também uma nova opção, a “Do Not Disturb“. Quando ativada, as notificações não são notificadas, isto é, não é produzido qualquer som ou vibração, sejam elas de chamadas, mensagens ou qualquer outra push notification, e o ecrã também não se ilumina quando alguma coisa é recebida. Mas esta é uma opção personalizável, na medida em que o utilizador pode criar um horário de início e de fim, ou pode escolher só ser notificado com chamadas dos favoritos, de um grupo de contactos específico ou no caso de a pessoa que está a tentar ligar o fizer uma segunda vez num intervalo de no máximo 3 minutos.

Para finalizar, quando é recebida uma chamada, se fizermos swipe para cima surgem duas opções: responder com mensagem, que nos permite enviar rapidamente uma mensagem de uma listagem pré configuradas ou lembrar-nos dessa chamada mais tarde. Este lembrete pode ser ativado para algum tempo depois, para quando deixarmos o local onde nos encontramos, para quando chegarmos a casa ou ao local de trabalho.

Outras

Houve uma mudança que passou despercebida, e diz respeito à alteração da ordem dos caracteres especiais. Ou seja, quando pressionada uma letra (ex.: a) antes aparecia essa mesma letra seguindo-se os caracteres especiais, agora tal já não acontece; neste momento surgem apenas os caracteres especiais e numa ordem diferente, o que do meu ponto de vista, é bastante mais útil.

O Mail seguiu a tendência do pull to refresh e sem dúvida é um dos gestos – é bastante mais prático e espero que tenha vindo para ficar.

A barra de topo, agora, muda de cor consoante a cor da aplicação (para já nativa) que esteja ativa, exceto com o Safari e o Maps. De qualquer forma, não deixa de ser um pormenor agradável e que mantém a harmonia entre a aplicação ativa e a interface do iOS.

Outra novidade deliciosa é o botão de volume da nova app Music do iOS6. Esta tem uma textura metálica e, quando se inclina o iPhone, é utilizado o acelerómetro para simular um diferente reflexo nessa mesma textura.

Achei também interessante o facto de no Calendário nos serem apresentados, automaticamente, todos os eventos para os quais fomos convidados no Facebook e que ainda não recusámos. É visível o nome do evento, e quando selecionado podemos aceder a toda a informação acerca do mesmo, desde a descrição, a quem nos enviou o convite para o evento, convidados e respectivo status de presença, o meu status de presença e um link direto para visualizar o evento diretamente na aplicação do Facebook.
[divider]

Conclusão

O iOS tem vindo a melhor a cada versão, e desta vez não foi exceção. É um conjunto de novas funcionalidades e detalhes interessantes, apesar de achar que ainda falta limar algumas arestas. Por exemplo, a impossibilidade de visualizar ou acrescentar aplicações na Lista de Desejos.
A aplicação dos mapas, apesar de bem intencionada, deixa muito a desejar, devido à muito baixa velocidade de carregamento.

Por outro lado, a parceria com o Facebook resultou e foi bem integrada no iOS. O utilizador pode agora partilhar rapidamente links e fotografias, ou colocar uma simples publicação através da Central de Notificações; o mesmo acontece com o Twitter.

Já a nível de desempenho parece-me mais fluído, mas no que toca a consumos de bateria encontra-se na mesma, nem mais nem menos consumo.

Assim, resta-nos esperar pelo próximo outono para que o iOS 6 seja disponibilizado ao público em geral.

0 comentários