O iPhone 5 continua a obrigar muitos portugueses a fazer contas à vida – será que vale a pena comprar; será que vale o preço que custa; será que o devo comprar nesta época pouco propícia a altura de austeridade? (E isto numa altura em que ainda não sabemos o preço exacto que o iPhone irá custar em Portugal.)

Preço esse que, como é normal, pouco ou nada tem a ver com o real preço de custo. É que enquanto muitas marcas têm que conviver com margens de lucro bastante reduzidas, para trazer os seus produtos para o mercado a um preço que seja minimamente competitivo e que não faça todo esse investimento ficar encravado nas prateleiras (sabendo-se que numa questão de meses estarão desactualizados e desvalorizados), a Apple dá-se ao luxo de poder ganhar – bastante – em cada iPhone que vende.

Segundo uma análise de custos feito pela Techinsights, o novo iPhone 5 custa cerca de $167 em material – e considerando que o mesmo é vendido a $649, será garantia de uma nova “mina de ouro” para a Apple, que continuará a amealhar milhões e milhões de dólares à custa de novo modelo.

Relativamente aos anteriores, o novo iPhone 5 é “bastante” mais caro ($112 para o iPhone 4, $132 para o 4S, e $167 para o iPhone 5), sendo que os principais responsáveis pelo agravamento do preço são o novo CPU A6 (passou de $21 do A5, para $28), e o rádio 4G (de $14 para $25).

Para se ter uma noção da “roubalheira” que se tornam os modelos com mais memória, fica a informação de que os 16GB de memória Flash têm um custo estimado de apenas $9 dólares. Portanto… vejam só o quanto a margem de lucro disparará quando pagam mais 100 ou 110€ por um smartphone com 16GB de memória adicional.