O iClub foi conhecer a Ponto Sagres

No dia 10 de Fevereiro, a equipa do iClub teve o privilégio de poder conhecer de uma forma mais pormenorizada e detalhada o universo Apple. Como já devem ter reparado o iClub tem um novo parceiro, a Ponto Sagres, a qual é liderada e gerida pelo Mauricio Antunes.

Este proporcionou à nossa equipa representada por mim, Pedro Topete, o André Fonseca e o novo colaborador Tiago Peixinho, uma viagem aos meandros de um Centro de Reparação autorizado da Apple. Aliás, ao melhor Centro de Assistência autorizado da Apple em Portugal.

Pode parecer exagerado dizer o “melhor em Portugal”, mas acreditem que depois daquilo que vimos esse título é mais do que merecido.

Para começar, a nossa visita teve início num restaurante… sim, um restaurante. E o que é que se come em Aveiro? Aquilo que os portugueses fazem com tanta paixão, um bom prego no prato. E parece que o Pedro e o Mauricio ainda não se renderam às iguarias regionais da zona.

A nossa pequena “reunião” com o diretor da Ponto Sagres começou já aí no restaurante, onde o Maurício foi bombardeado de questões e mais questões o qual entre umas e outras garfadas nos ia respondendo sempre com uma postura completamente descontraída.

Nesse dia percebemos o verdadeiro significado do termo “amor à camisola”, é isso que o Mauricio sente, quando se desloca cerca de 120 km todos os dias entre Coimbra e Aveiro  para manter as portas abertas e nunca deixar os seus clientes à espera.

Agora passemos  àquilo que realmente vos interessa, a visita propriamente dita.

Enganem-se quando olham para aquela loja e pensam que é “apenas mais uma loja entre muitas outras”, enganem-se mesmo! Os 3 elementos da equipa já tinham, no passado tido contacto com a Ponto Sagres, mas nada nos fazia prever aquilo que íamos ver nos “bastidores”.

Ficámos a saber que desde que um produto Apple entra naquele Centro de Assistência nunca, mas mesmo nunca estará em contacto com uma superfície que não seja um suporte específico para o produto ou uma superfície recomendada pela Apple.

Os detalhes do acondicionamento dos produtos não nos deixaram indiferentes, algo que é opcional e tem um custo para a própria empresa mas que o Maurício faz questão que seja um pré-requisito. O transporte de componentes e dispositivos é feito em embalagens de cartão desenhadas única e exclusivamente pela Apple para aquele produto.

Depois de ver aquilo, confio a 100% e de olhos fechados que nada ali é deixado ao acaso.

Estão a imaginar o que é ter satisfação por saber que o nosso trabalho está a ser bem feito, está a ser perfeito mesmo sem o cliente imaginar? Eu senti essa satisfação, ao ver produtos de desconhecidos a serem tratados como objetos pessoais e únicos.

A qualidade do serviço salta à vista, sem sombra de dúvidas. Recomendaria a Ponto Sagres a qualquer pessoa que necessitasse de assistência.

A maior frustração que tenho é não poder sequer descrever um tipo de procedimento que nos foi revelado, a minúcia e paciência que aqueles técnicos têm de ter para conseguir identificar material de contrafação, sim porque ele existe. Para além de existir não tentem a vossa sorte ao enviar o mesmo para um Centro de Reparação oficial, porque nada é deixado ao acaso, nada mesmo.

Por muito perfeita que a réplica seja e por mais imperceptível que o trabalho seja, os técnicos vão conseguir detectar ou que o produto já foi aberto de uma forma não oficial ou que possui componentes também não oficiais.

Acreditem, infelizmente é um processo que não podemos divulgar, e aqueles técnicos que o fazem são treinados para não falharem.

Esta é mais uma das razões que justifica a qualidade deste centro de assistência.

Mais detalhes que tornam os bastidores em algo sublime, as próprias ferramentas. Todas elas, não existe ali nenhuma que seja “só para desenrascar”, todas elas possuem a sua função e por isso todas as ferramentas são oficiais da Apple.

A perfeição chega ao ponto de se comprar uma ferramenta para um produto que entra na loja, e apenas ter sido usada uma única vez.

Mas foi usada naquela produto e não foi usada uma que era apenas para o “desenrasque”.

Existem duas salas de reparação, duas oficinas, com técnicos impecavelmente “fardados” com umas batas brancas anti-estáticas e com os valiosos cartões de identificação ao peito. Não é qualquer um que pode ter acesso àqueles corredores e entrar numa daquelas oficinas imaculadamente organizadas. Para se possuir um cartão de técnico da Apple não basta perceber de “computadores”, ou saber desmontá-los.  Se quisermos um cartão daqueles temos de o merecer, temos de provar que conhecemos muito bem os produtos, o software, a marca… aliás todo o ecossistema da Apple.

Impossível não reparar na paixão que as colaboradoras da logística depositam aquilo que fazem, ao serem questionados onde estava um produto para nos ser mostrado e pelo facto da resposta ter sido imediata com o local exacto e preciso.

Apesar da loja ser um pequeno espaço, em comparação com a zona de reparação de produtos, entramos e vemos logo a mentalidade “clean” um espaço minimalista onde temos logo acesso aos produtos e uma recepção com um colaborador pronto para nos receber com um sorriso.

Já nas zonas de acesso restrito ao público vimos algumas referências ao gênio Steve Jobs. Posters fixados nas paredes que nos relembram aquilo que nos faz estar ali.

A paixão incondicional por uma marca, a paixão pela diferença e que nos relembram que Mac não é uma apenas uma escolha, é uma opção de vida.

Só para poderem ter uma noção assustadora da capacidade que aqueles técnicos possuem, na Ponto Sagres são reparados cerca de 80 iPhone diariamente, provenientes de todo o país. Atenção só iPhone, não tivemos acesso a números de Mac. Volto a salientar, 80 iPhone por dia.

Podem pensar “o que tem de especial”?  Nada, se é um centro de reparação é isso que eles fazem, reparam e dão assistência. Mas, mais uma vez enganem-se… isto ainda impressiona e surpreende mais quando sabemos que naquele espaço trabalham de forma apaixonada 10 pessoas. E dessas 10 pessoas nem metade tem a função de reparar os iPhone.

Portanto temos de assumir é um trabalho onde se vê paixão e magia a acontecer. E nós tivemos o privilégio, que é mesmo essa a palavra correcta, o privilégio de ver numa pequena escala o trabalho da Apple.

Eu falo por mim, honestamente vi aquilo que poucas pessoas podem ver, vimos como equipa até onde vai a paixão por uma marca. Até onde nos leva o prazer de fazer aquilo que gostamos. E aquele espaço, aquele ambiente transpira paixão, a equipa apesar de pequena revela que a perfeição está presente nos pequenos gestos que podemos presenciar.

E quando somos apaixonados por aquilo que fazemos, somos perfeitos e dignos de dar a cara por uma marca neste caso. Dar a cara por uma das marcas mais valiosas do mundo é sem dúvida um prazer indescritível.

O trabalho árduo desta equipa e da fantástica gestão que possui por trás, já lhes valeu valiosa palavra: Premium.

A Ponto Sagres transformou-se numa loja premium, e aqui vemos onde nos leva o esforço e a dedicação de toda uma equipa apaixonada por aquilo que faz.

Depois da nossa visita guiada às instalações gravámos o nosso Podcast com o Maurício, o qual não consideramos como “o chefe”, mas sim como um líder daquela equipa fenomenal.

Nesse podcast conversámos com ele sobre a sua ligação ao mundo Apple, o motivo para a empresa estar apenas localizada em Aveiro, e ainda sobre as avarias mais frequentes que levam o utilizador a recorrer ao suporte, e como devem proceder em caso de necessitar de accionar a garantia.

Uma conversa imperdível, o primeiro podcast (arrisco) em todo o mundo a ser gravado dentro de um centro de Assistência. Essa conversa está disponível nas plataformas habituais, iTunes, SoundCloud, e Google Play Música. Acreditem, não vão querer deixar de ouvir!

Para além disto no final da gravação do podcast registámos em vídeo um tour rápido às instalações que podes aqui.

0 comentários

Autor: