O cabo USB dos trabalhos

Este fim-de-semana deparei-me com um caso caricato que penso poder servir de lição para muitas mais pessoas. Sendo frequente andar com um conjunto de gadgets a acompanhar-me para um lado e para o outro, e sabendo que a autonomia raramente é tão boa quanto seria desejável, opto por ter cabos de todos os tipos e feitios, com fartura, para facilitar as operações de recarregamento.

Felizmente hoje em dia isso quer dizer que na maior parte dos casos é suficiente um cabo com ficha microUSB.

Mas, este fim-de-semana deparei-me com uma estranha situação que já vinha a suspeitar à algum tempo, mas que agora ficou completamente demonstrada. Para evitar trocas e esquecimentos relativamente aos cabos oficiais dos equipamentos para reviews, por norma uso os meus próprios cabos microUSB e carregadores. No entanto, perante a “enchente” de equipamentos que tive nestes últimos tempos, fui obrigado a dar uso a alguns cabos que normalmente usava apenas para transferir dados… e qual não foi a minha surpresa quando descobri que ao final de um par de horas de recarregamento de alguns equipamentos, o seu nível de bateria estava exactamente no mesmo ponto!

Primeiramente suspeitei que o carregador (baratucho) não tivesse potência suficiente para recarregar os equipamentos… mas, lembrei-me de outra situação que tinha achado estranha há algum tempo atrás: quando usei um destes cabos com o adaptador de micro-USB para ficha Lightning da Apple, e um iPhone 5 se tinha queixado dizendo que “não é possível carregar com este acessório”. Fiquei um pouco supreendido que o adaptador não desse para recarregar um iPhone… mas na altura deixei passar.

Mas agora, a suspeita recaia sobre os cabos: será que estes cabos microUSB é que estavam na origem do problema?

Substitui os cabos micro USB pelos cabos originais fornecidos com os equipamentos (mas usando o meu carregador de tomada)… e eis que em poucos minutos o indicador do nível de bateria já mostrava que estavam a carregar como seria esperado. E para tirar as teimas, peguei num cabo micro USB que me inspirava mais confiança, experimentei com o tal adaptador para a ficha Lightning Apple… e o iPhone já não se queixava de não poder recarregar. Estavam encontrados os culpados – os cabos baratuchos micro USB “dos chineses”!

Confesso que não é a primeira vez que descubro que “há cabos e cabos”… nos tempos em que tinha que andar com cabos de bateria na mala do carro (bateria a dar as últimas…) rapidamente descobri que com uns cabos de baixo custo, por vezes nem conseguia colocar o motor a funcionar – mas que usando uns cabos que “impunham respeito” de um mecânico, a coisa ia logo à primeira. (Ainda por cima, foi da maneira que reparei que embora os meus cabos fossem “grossos”… aquilo era apenas plástico: os cabos condutores propriamente ditos eram de secção ridícula!)

Aqui no caso dos cabos microUSB o que acontece é precisamente o mesmo: embora tenham “plástico grosso”, aposto que os fios condutores no seu interior deverão ter um diamêtro idêntico ao de cabelos! Ou seja, suficientes para transferir dados (e sabe-se lá até que ponto) mas insuficientes para transportar corrente suficiente para recarregar seja o que for.

Fica o alerta, para que caso alguma vez se deparem com fenómenos idênticos já estejam sensibilizados para uma das potenciais causas.

… O problema é que não há grande forma de podermos distinguir um cabo bom de um mau: ser barato ou caro, ou ser “grosso” não será garantia da qualidade do cabo internamente. A única coisa que se poderá fazer é comprar um de uma marca que inspire alguma confiança, e acreditar que aquilo não seja só “plástico”.

0 comments