iCloud backups – em busca do espaço perdido

Os backups na iCloud – para quem usa iPhones, iPads, ou iPods Touch – são algo que a maioria dos utilizadores poderá apreciar sem nunca sequer ter que tomar consciência do que fazem. A ideia é simples: diariamente, sempre que têm o vosso iPhone ligado ao carregador e com uma rede WiFi disponível, ele trata de actualizar este backup “na cloud”, guardando as vossas fotografias, documentos, e todas as definições e dados de cada uma das apps.

Se alguma vez tiverem que trocar de iPhone (por o terem perdido, sido roubado, ou por terem feito um upgrade para um novo modelo), podem facilmente fazer a reposição desse backup, ficando tudo pronto a funcionar como dantes. Simples, prático, eficaz!

O problema é que recentemente comecei a levar com avisos de que estava a ficar com pouco espaço livre para o backup na iCloud. E quando fui verificar… realmente era verdade: estava com um backup a aproximar-se dos 4.9GB.  Afinal… o que se estava a passar?

A Apple oferece 5GB de espaço gratuito, espaço esse que apenas considera os vossos próprios dados (as apps, músicas e filmes comprados no iTunes, esses não contam) e, claro, é possível comprar mais espaço mediante o pagamento de uma anuidade.

Se é certo que tenho várias centenas de apps (tenho que fazer uma limpeza), o facto de não contarem para o espaço de backup deixou-me um pouco intrigado, pois a única coisa importante e que mais peso tem no meu backup são as fotos: cera de 3.7GB de fotos que por “comodismo” mantenho no iPhone. Com o aviso de que o meu backup se aproximava dos 4.9GB… o que estaria a gastar o espaço extra?

Foi tempo de ir fazer uma investigação mais cuidada sobre o que se passava.

Entrando na gestão de espaço ocupado no backup, podia ver que as fotos eram responsáveis por 3.7GB do espaço, estando logo no topo da lista – tal como se esperava. No entanto, logo a seguir tinha várias Apps que diziam estar a ocupar algumas centenas de MBs de dados. E se umas o diziam com sentido (Apps com documentos, PDFs, etc.)… noutros casos não havia grandes justificações para isso.

Por exemplo, na App Pano – uma das apps “obrigatórias” para quem gosta de tirar fotografias panorâmicas (mesmo face ao novo modo nativo incluindo no iOS 6) – o espaço ocupado em backup era de 82.3MB.

Um espaço “absurdo”, considerando que as fotos que a App cria são gravadas para o album de fotos do iOS, e não deveriam ficar na App a ocupar espaço (e no meu caso, não tinha lá fotos “pendentes” para serem processadas posteriormente).
Suspeitei que fossem alguns ficheiros temporários que por lá tivessem ficado perdidos, e não disposto a aguardar por uma resposta dos seus developers, optei pela solução mais radical: desinstalar e reinstalar a App. A diferença fez-se notar imediatamente: passando de 82.3MB de dados ocupados para… 440KB.

Se isto acontece com esta App, imagino que também esteja a acontecer com dezenas (centenas?) de outras Apps que tenha instaladas – mas, no meio de tantas centenas de apps a gastar poucos kilobytes ou megabytes… como dar com elas? Igualmente absurdo é verificar que há Apps que mesmo dependendo de coisas na internet que podem ser descarregadas, optam por fazer backups de dezenas e dezenas de Megabytes (quando deveriam guardar apenas os poucos kb dos dados de login do utilizador, por exemplo).

Outro ponto a ter em atenção é que poderão ter backups a ocupar espaço…de apps que já não utilizam e já desinstalaram!

Sim, quando removem uma App, os dados que ela usava continuam a ficar guardados no backup do iCloud – o que por um lado é bom, pois permite que caso a decidam reinstalar mais tarde, podem recuperar os dados/configurações que nela tinham; mas por outro lado, se for uma App que ocupe espaço substancial e que nunca mais pretendem utilizar… não é assim tão agradável.

Se for esse o caso, terão que ir às definições do iCloud, e definir expressamente que não querem o backup dessa App, e assim eliminando o espaço que estava a ocupar no backup. (Penso que seria mais lógico perguntar se se queria manter o backup ou não, quando se desinstala a App.)

Houve também casos de apps que estavam a ocupar demasiado espaço – como nas tais apps de documentos, e às quais fui para eliminar documentos em excesso, reduzindo o espaço que ocupavam. Mas, mesmo depois de forçar uma sincronização do backup, o espaço ocupado no iCloud continuava a ser o valor anterior “excessivo”. Num caso concreto: tinha o Good Reader a ocupar várias centenas de megabytes no backup (com justificação – tinha lá dezenas de PDFs); fui à App e apaguei muitos desses PDFs, passando a ter apenas uns poucos MBs de dados; mesmo depois do sync o backup continuava a mostrar as centenas de MB ocupadas.

Não sei se eventualmente a coisa iria ao sítio por ela própria, mas a minha solução foi desactivar o backup para essas apps – o que eliminava o backup no iCloud – fazer um sync do backup, e depois reactivar novamente os backups. E aí, o espaço ocupado passava a ser o espaço correcto actual. Ufa… demasiado trabalhoso para um sistema que deveria “simplesmente trabalhar”.

Portanto… se começarem a receber o mesmo tipo de avisos de que o vosso backup no iCloud está a chegar ao limite do espaço, espreitem as definições para verem o que está a ocupar espaço… e poderão ficar surpreendidos com o que lá encontram.

A única parte menos má, é que os principais “culpados” estarão imediatamente no topo da lista, que é exibida por ordem de espaço ocupado – pelo que bastará tratar de 2 ou 3 para resolver o assunto.  Mas, qualquer pessoa depressa compreenderá que não é nada prático andar a navegar por centenas de Apps, sem saber se os dados que lá estão guardados são dados realmente necessários, se são “lixo”, ou sequer se são de Apps que já desinstalaram e que nunca mais pretendem utilizar.

0 comments