Entrevista com os autores da app Keep An Eye

A Paradigma – Sistemas Informáticos é uma startup portuguesa com sede em Braga, que desenvolveu uma excelente app para smartphones iOS e Android chamada Keep An Eye.

Esta aplicação é a primeira do género, e permite vigiar o portátil com uma app para smartphone, mesmo quando não nos encontramos perto dele. A utilização do Keep An Eye é extremamente simples, bastando abrir o site http://keepaneye.mobi no computador e apontar a câmara do telefone para o QR Code apresentado na página, a ligação entre o computador e o telefone fica concluída. Isto sem instalar qualquer tipo de software no seu computador, permitindo monitorizar teclado, rato, movimentos físicos, rede, etc. Vejam o video abaixo.

Keep An Eye [iPhone & Android App] from Paradigma, Lda. on Vimeo.

Decidimos conversar um pouco com o Miguel Almeida, um dos programadores e fundadores da Paradigma.


Quem faz parte da equipa da Paradigma?
A Paradigma é uma equipa de 3 pessoas: Mariana Pulido, Afonso Arriaga e Miguel Martins de Almeida.

Qual é a formação e trajecto profissional dos elementos da equipa?
Eu e o Afonso (sócios da Paradigma desde a sua fundação, em 2008) somos ambos licenciados em Engenharia Informática pela Universidade do Minho.
O Afonso, além de sócio e consultor da Paradigma na área da segurança da informação, é também Investigador em Criptografia no laboratório HASLab desta universidade desde 2009.
A Mariana frequenta actualmente o curso de Novas Tecnologias da Comunicação, da Universidade de Aveiro. É designer de interfaces e consultora de imagem da Paradigma desde 2011.

Que ferramentas (hardware e software) usam para trabalhar?
Três MacBooks bastam-nos!
Para programação, o Xcode é utilizado no desenvolvimento iOS e Mac OS X e o Eclipse no desenvolvimento Android. Os servidores são, por norma, desenvolvidos em Python.
Utilizamos software como o Coda, CSSEdit e Dreamweaver para desenvolvimento web.
Quanto a imagem estática utilizamos Photoshop e Illustrator para trabalhos gráficos.
Os vídeos são desenvolvidos em After Effects.

Há quanto tempo usam Mac e porquê?
Só utilizamos Mac. Um de nós, sempre utilizou Mac, desde 1988. Outro, migrou do Linux para o Mac em 2005. O último, “converteu-se” mais recentemente, em 2010.
Sem entrar na eterna discussão dos aspectos estéticos? Os motivos são os óbvios: nenhuma outra marca de computadores e sistemas operativos oferece a mesma qualidade que a Apple. A todos os níveis. Essencialmente: as cores dos ecrãs são únicas; o sistema é baseado em Unix, com todas as vantagens que isso traz, mas conta ainda com a existência de bom software comercial (como o software da Adobe, por exemplo, que não existe para os restantes Unix nem para Linux). O próprio Xcode (que só existe para Mac OS X) é fabuloso. É realmente agradável programar neste IDE e em Objective-C. Nota-se que tudo está bem pensado por especialistas, ao mais ínfimo pormenor. Tudo é coerente. Em grande parte, é graças a essa organização e às suas guidelines bem definidas que a utilização do iOS e do Mac OS X se torna uma experiência tão agradável.


Como surgiu a ideia para a App Keep An Eye? Já tiveram algum problema de segurança/furto na equipa?
Na Paradigma temos desenvolvido aplicações para outras empresas. Esta foi desenvolvida para nós. O Keep An Eye é uma ideia que já vem desde o tempo em que passávamos horas em bibliotecas, a estudar e a fazer trabalhos para a universidade. Felizmente nunca sofremos nenhum furto mas a preocupação está sempre presente quando deixamos o nosso portátil em cima da mesa para ir tirar mais um café à máquina.

É a vossa primeira experiência no desenvolvimento de aplicações para iOS?
É a primeira experiência no desenvolvimento de aplicações para iOS como um produto inteiramente nosso. No entanto, temos em fase de desenvolvimento várias outras aplicações para outras empresas.

Quanto tempo levou o desenvolvimento da Keep An Eye?
Desde o momento em que começámos o desenvolvimento até ao dia de lançamento na App Store, passaram exactamente 3 meses. Depois disso, o maior investimento tem sido feito em marketing e divulgação.


Como foi o processo de submissão à App Store?
Foi simples, mas os dias seguintes à submissão foram de ansiedade, até a aplicação estar aprovada. Sabemos que mais de 90% das aplicações são aprovadas e que tínhamos tudo para que a nossa também o fosse porque a fizémos com o maior rigor possível, mas é impossível não se ficar ansioso.
Desde que a aplicação foi submetida para aprovação, passaram-se 7 dias até a Apple pegar no nosso processo. Nesse 7.º dia, no momento em que começou a avaliação, recebemos uma push notification com um aviso, através da app iTunes Connect. Cerca de 3 horas depois recebemos outro aviso a informar-nos de que tinha sido aprovada. Existe um site que reúne dados estatísticas destas submissões: http://reviewtimes.shinydevelopment.com/
Após aprovada, a aplicação não tem de ficar logo disponível. No momento da submissão é dada a opção de a lançar num determinado dia à nossa escolha. Nesse dia, a aplicação fica disponível às 0h de cada mercado. Por isso, o Keep An Eye foi ficando disponível a horas diferentes em cada país, dependendo do fuso horário.

Como programadores, qual é a vossa opinião sobre a exclusividade de distribuição através da App Store?
A simplicidade é um argumento forte a favor do monopólio. Para descarregar o Keep An Eye basta procurar pelo nome, no sítio do costume. Para o cliente, a compra conclui-se num só clique. Para nós, as questões de facturação são também muito mais simples porque temos apenas um cliente – a Apple, Inc.
Sem este sistema, os nossos clientes teriam mais dificuldade em descarregar a app (e updates seguintes), teriam de nos facultar os dados dos seus cartões de crédito e nós teríamos de lhes facturar a venda, uma a uma. A comodidade vale bem os 30% de comissão que a Apple nos cobra.
Paralelamente, achamos que a Apple deveria ser muito mais criteriosa na aprovação das aplicações. Uma enorme parte das aplicações disponíveis é “lixo” – são inúteis ou não funcionam. Muitas outras são um logro: anunciam coisas que não fazem. Para evitar feedback negativo, os seus developers estão constantemente a comprar as suas próprias aplicações e a auto-atribuir-se feedback positivo. Além disso, isso mantem-nas no topo das stores, ganhando visibilidade. Por várias vezes chegámos ao Top #3 geral da store portuguesa, com 2 apps à nossa frente desse tipo. É concorrência desleal e, por isso, a Apple não devia permiti-lo.

Como tem sido o feedback dos utilizadores da App?
Temos tido feedback muitíssimo positivo. A grande maioria das pessoas que chegam à store ou às nossas páginas nas redes sociais identifica-se completamente com o estilo do Keep An Eye. A simplicidade, a alta performance e o aspecto gráfico são os 3 pontos mais elogiados. Também já recebemos algumas sugestões para novas features. Estamos atentos às sugestões dos nossos utilizadores.

Qual é a vossa opinião sobre o talento que existe em Braga/Portugal nesta área?
Em Portugal temos boas universidades, bons cursos e pessoas cheias de criatividade. O apoio para a criação de startups ainda é bastante escasso mas já há muitos empreendedores que por motivação própria lançam os seus produtos. Algumas universidades, como é o caso da Universidade do Minho, cedem parte das suas instalações para recém-diplomados poderem trabalhar nos seus projectos.
O mercado mobile é relativamente recente mas já temos exemplos comprovados de aplicações com sucesso à escala mundial, como a Weddar. Temos trabalhado em parceria com muitas equipas talentosas de vários pontos do país, nomeadamente de Braga, Porto, Coimbra e Lisboa.

Como encaram o mercado português?
O mercado Português é muito pequeno. Somos poucos e, ainda por cima, consumimos pouco este tipo de produtos. Há poucos hard users. É muito difícil prever a receptividade dos utilizadores neste tipo de negócio que depende tanto da visibilidade e investimento em publicidade, mas temos dados que nos indicam que as vendas em Portugal representam bastante menos de 3% das vendas mundiais. Neste momento sabemos também que 5% a 10% das visualizações da nossa página ou vídeo de promoção revertem em vendas.

Depois da Keep An Eye, que novos projectos podemos esperar da Paradigma?
Um dos projectos que temos em desenvolvimento neste momento poderá revolucionar a forma como as pessoas têm acesso aos horários de transportes públicos, por geo-referenciação.
Outro, terá uma grande componente social e pretende ligar pessoas a locais. Este projecto está a ser desenvolvido em parceria com uma holding privada de investimentos.
Temos muitas ideias e sabemos como as implementar. São muitas as empresas que nos contactam no sentido de associar aplicações aos seus produtos e serviços, ou ainda com o objectivo de implementar connosco os seus próprios projectos, nascidos do zero.
Se for feito com a estratégia correcta, este é um um formato de Marketing extraordinário.

Em tom de provocação, que apps consideram essenciais em qualquer dispositivo iOS, além da vossa?
Produtividade: Clear, MyWallet+, 1Password, Onavo Extend, Dropbox, Skype
Técnicas: Prompt, Screens e IP Scanner
Entretenimento: Reeder, Figure (da Propellerhead), Adobe Ideias, imo e SoundHound
Jogos: Tiny Wings, Cut the Rope e Where’s my Water
Esperamos um dia encontrar alguma das nossas aplicações em resposta de terceiros a esta mesma pergunta!

Para terminar, que conselhos dão a quem quiser criar aplicações para o iOS da Apple?
Procurem pelas aulas de iOS da Universidade de Stanford, disponíveis gratuitamente no iTunes U. Invistam um mês a assistir a essas aulas e a fazer os assignments. Evitem as aulas que circulam no YouTube, pois estão cheias de más práticas. Confiem no site Stack Overflow.
Leiam as guidelines e regras de boas práticas dadas pela Apple e estudem com detalhe centenas de outras aplicações de qualidade que já existam.
Simplifiquem. Simplifiquem. Simplifiquem.
Façam interfaces lindíssimas e pensem no utilizador. Ponham várias pessoas de meios diferentes a usar a vossa aplicação. Voltem a pensar e a redesenhar. A tecnologia tem de ser simples e bonita de se usar.

Download: iTunes Store
Preço: 0,79 €

Categoria: Utilitários
Actualizado: 24 de Set de 2012
Versão: 1.2
Tamanho: 1.3 MB
Idiomas: Inglês
Programador: PARADIGMA – Sistemas Informaticos, LDA
Classificação de 4+

Requisitos: Compatível com iPhone 3GS, iPhone 4, iPhone 4S, iPhone 5, iPod touch (3ª geração), iPod touch (4ª geração), iPod touch (5ª geração) e iPad. Requer o iOS 5.1 ou posterior.

Existe também versão para dispositivos com sistema operativo Android, que podem consultar aqui.

0 comments