Cook diz que pedido do FBI é “cancro de software” e Apple diz que é inconstitucional

A Apple e todos os seus representantes mais importantes da empresa têm-se desdobrado em entrevistas, para que todo o mundo perceba a sua posição na batalha legal que envolve a gigante norte-americana e a agência governamental norte-americana, FBI.

Depois de uma carta aberta, de uma página de esclarecimento e de uma mensagem aos empregados,  CEO da Apple recebeu o canal televisivo ABC para uma entrevista rara no seu escritório.

Cook começa por dizer que o pedido do FBI é equivalente a um cancro no software e que mais do que uma votação ou sondagem, o que está aqui a ser discutido é o futuro da segurança da tecnologia e da privacidade dos utilizadores.

Recentemente as vitimas do ataque em San Bernardino (causa da origem desta batalha legal) vieram expressar o seu apoio ao FBI mas Cook fez questão de registar que a Apple fez tudo o que podia para ajudar a agência governamental a adquirir os dados do iPhone 5c do atirador. O CEO menciona várias vezes que este assunto não é sobre um “iPhone” mas sim sobre o centenas de milhões de iPhones e o futuro dos mesmos.

Durante toda a entrevista o discurso é bastante semelhante e foca-se sempre nas palavras “futuro”, “liberdade”, “segurança pública”. Cook refere que se esta porta for aberta, nada impede as agências governamentais de irem atrás de todos os outros sistemas operativos da Apple e não só.

O CEO disse também que este tipo de decisões não pode ser tomada num tribunal e que deverá ser o governo a analisar a situação. Esta ideia foi também transmitida pelos advogados da Apple em tribunal, que afirmaram que o pedido do FBI é inconstitucional. A gigante de Cupertino diz que o pedido viola a primeira emenda da constituição dos Estados Unidos da América relacionada com a liberdade de expressão.

0 comments