iTunes

A Apple está a planear disponibilizar o iTunes na Windows Store. Num anúncio que apanhou toda a gente de surpresa na Build 2017, a Microsoft revelou que está a trabalhar com a Apple para disponibilizar o iTunes para a Windows Store. Parece não ser um anúncio de grande importância, mas na verdade é, já que o iTunes é uma das aplicações mais pesquisadas na loja, mesmo não estando disponível.

Contudo, a Microsoft não pode ficar por aqui e precisa de atrair outra aplicações, como a suíte de criatividade da Adobe e o Google Chrome. Há sinais de que o Chrome talvez nunca apareça na Windows Store, já que o Google precisa de  reformular parte do seu navegador para atender aos requisitos da Microsoft. As aplicações do Windows Store que navegam na web precisam de usar o motor Edge da Microsoft e o Chrome usa o motor de renderização Blink da própria Google. A Google pode decidir criar uma nova versão do Chrome especificamente para a Windows Store, como fez antes com o iOS, mas é bastante improvável.

De qualquer maneira, o iTunes é mais um peso pesado a chegar à Windows Store e uma grande adição para os utilizadores, demonstrando assim o contínuo interesse da Microsoft na sua loja, que ainda tem muito que crescer.

Não se pode considerar isto como uma falha, mas por vezes é bastante frustrante. A Apple apenas permite que tenhamos a nossa conta inserida no iTunes em 5 dispositivos. E quando atingimos o limite? Já vos aconteceu? Serem premiados com a mensagem de que atingiram o limite de contas associadas a dispositivos? Infelizmente a mim já, mas a solução para estes casos é fácil, mesmo muito fácil. Ora vejamos como se desautorizam dispositivos da conta do iTunes.

Uma nota de referência sobre este processo. Quando desautorizamos um computador seja ele PC ou Mac, apenas estamos a remover o acesso ao nosso conteúdo comprado através desse dispositivo. Não estamos a apagar o conteúdo que foi adquirido, apenas estamos a remover o acesso  aos conteúdos adquiridos anteriormente na App Store, Mac App Store, iTunes Store ou iBooks Store. Ou seja todos os nossos livros, filmes, séries músicas e apps ficam inacessíveis no dispositivo que vamos desautorizar.

Este é um passo importante para quando nos pretendemos desfazer do nosso Mac sem o querer formatar, ou até enviar para a assistência técnica.

Como saber o número de dispositivos autorizados para a nossa conta do iTunes?

  • Para começar teremos de abrir o iTunes;
  • Normalmente já temos a nossa sessão iniciada, caso não a tenha iniciada utilize o seu Apple ID;
  • No canto superior esquerdo do ecrã vão ter um menu identificado com “iTunes”;
    • Sigam os seguinte passos: “Conta” > “Ver a minha conta”.
 

  • Ao seleccionarem esta última opção poderá ser solicitada a vossa palavra-passe do Apple ID. Caso isso aconteça vão ter de a introduzir.
  • Depois disso feito vão ver um menu semelhante ao que vos apresento em baixo, mas com os vossos dados de utilizador/cliente Apple.

  • Vão ter a informação que procuram no final da página “Autorizações de computadores” com o número de computadores que estão autorizados a reproduzir o conteúdo adquirido com o nosso Apple ID.

Vamos agora ao passo seguinte.

Como desautorizar um dispositivo?

  • Primeiro passo será abrir o iTunes no computador que queremos desautorizar com o acesso;
  • No menu (barra superior) do ecrã iremos novamente ver no canto superior direito “iTunes” ;
    • Nesse mesmo menu vamos seguir os passos: “Conta” > “Autorizações” > “Desautorizar este computador”.

  • Será novamente solicitado a introdução do seu Apple ID para confirmar a sua decisão.
  • Por fim seleccione a opção “Desautorizar” e está concluído.
  • Quando lhe for solicitado, introduza o seu ID Apple e a respetiva palavra-passe.

Mas no meio disto tudo ainda temos outra questão, que é como eliminar todos os dispositivos associados à nossa conta do iTunes.

Como desautorizar todos os dispositivos?

A opção de desautorizar todos os dispositivos só estará disponível depois de estarem autorizados 2 computadores. E um ponto extremamente importante: Só se podem desautorizar todos os computadores uma vez por ano!

Em que circunstâncias devemos utilizar esta opção? Em caso de venda do nosso Mac e se por acaso se esqueceu de efectuar este processo. Ou caso o seu computador deixe de funcionar.

Os passos para desautorizar todos os seus dispositivos são os seguintes:

  • Abrir o iTunes;
  • Iniciar a sua sessão com o seu Apple ID, caso a mesma não esteja iniciada;
  • Mais uma vez como nos processos anteriores temos de ir à barra superior onde está o menu do “iTunes”;
    • Seguidamente: “Conta” > “Ver a minha conta”

 

  • Irá surgir uma nova página com todos os nossos dados de cliente da Apple;
  • Teremos de ir ao menu identificado como “Resumo do ID Apple”;
  • Por fim, no canto inferior direito temos a opção de “Anular a autorização a todos”.

Como referi em cima, este botão que podem ver a azul na imagem superior só estará disponível caso tenham 2 ou mais computadores associados.Se o botão identificado em cima não aparecer, significa que apenas possuem um computador autorizado. 

Esta actualização do iTunes surge apenas duas semanas após o lançamento do iTunes 12.4, que trouxe inúmeras novidades, muitas das quais coincidentes com os rumores aos quais tivemos acesso anteriormente.

A nova versão do iTunes, 12.4.1 traz as habituais melhorias em performance, mas não só. A Apple nesta actualização focou-se no VoiceOver, o qual já não via uma actualização à muito tempo, para quem não sabe o que é esta funcionalidade a Apple explica:

O VoiceOver é uma funcionalidade de leitura de ecrã que facilita a utilização do Apple TV a utilizadores com visão reduzida.

E ainda o iTunes 12.4.1 foi corrigido para que o bug que existia nas transições das músicas (crossfading) deixa-se de existir.

A contagem decrescente para a WWDC 2016 já começou, pode ser que sejam conhecidas novas melhorias e até quem sabe uma nova versão do iTunes. Uma coisa que é quase garantida, é a actualização do Apple Music o qual será alvo de grandes novidades, mas como também já referimos a “rede social” da Apple, o Apple Connect deverá perder relevância no iOS. O iTunes 12.4.1 já se encontra disponível para download na App Store.

Em Fevereiro deste ano, Eddy Cue, o elemento da Apple responsável pelo iTunes prometeu-nos uma nova versão do iTunes a qual deveria ser apresentada com o próximo OS X 10.11.4. Para além de nos ter prometido uma nova versão do programa, foi-nos dito que seria acompanhado por um novo design mais intuitivo e simples de usar. Ou seja o UI (User Interface/ Interface do utilizador) deveria ser redesenhado, e aprimorado para tornar a sua utilização mais intuitiva.

Todos ficamos curiosos com esta eventual remodelação estrutural e gráfica do iTunes, mas como será? Não estão curiosos? O site MacRumos, matou-nos a curiosidade e pois divulgou vários screenshots do próximo iTunes 12.4 a que teve acesso.

Ao primeiro olhar não difere muito da actual versão, mas se olharmos de uma forma mais detalhada conseguimos reparar que existem novos detalhes que saltam à vista. Posso começar com a barra na lateral esquerda que nos permite o acesso a diferentes conteúdos da biblioteca, como por exemplo álbuns ou músicas especificas. Ainda na nova barra lateral, é possível personalizar o menu para poder mostrar o conteúdo personalizado pelo utilizador. As playlists podem ser criadas facilmente apenas arrastando as músicas em questão para a nova barra lateral.

O mini player, também terá algumas modificações visuais e no interface, as opções de mudança de música passam para o lado direito do leitor, nessa localização passam a ficar mais acessíveis e visiveis. Ultimamente fala-se de muitas mudanças em visuais gráficos da Apple, por exemplo nos últimos dias falou-se de uma remodelação da app do Apple Music, a qual é esperada com muitas novidades.

Podemos contar com esta versão do novo iTunes já na WWDC?

 

No mês passado a Apple ter colocou online a sua plataforma de suporte da Cruz Vermelha para apoiar as vítimas dos dois terramotos que afectaram o Sudoeste do Japão, a mesma voltou a ficar activa para ajudar as vítimas do incêndio de Alberta. Um incêndio de proporções épicas, está a consumir desde o dia 1 de Maio a zona florestal e habitacional em Alberta no Canadá.

Este incêndio deflagrou a sudoeste de Fort McMurray, e devido aos danos materiais causados e a toda a área florestal consumida o mesmo já foi apelidado de “A besta“. Ao todo já foram consumidos 161.000 hectares de terreno e o que inclui zonas de habitação, as empresas de seguros tem até ao momento milhões de dólares para pagar aos afectados por este incêndio, e toda uma comunidade para ser reconstruída em Alberta. Devido a todos os danos causados por este incêndio e naturalmente por causa de todos os desalojados a Apple activou novamente a sua plataforma de recolha de fundos para apoio à Cruz Vermelha.

De igual modo a situações anteriores os valores estabelecidos para apoiar a Cruz Vermelha são os seguintes: 5; 10; 25; 50; 100 ou 200 dólares. Todas as doações efectuadas serão na sua totalidade remetidas para a Cruz Vermelha, não existindo qualquer percentagem desse valor que fique retida nas contas da Apple.

Para além disso, e mais uma vez a comprovar a sua segurança, a Apple refere que não existem dados de quem faça as doações a ficarem retidos ou eventualmente a serem fornecidos para outras situações de recolha de fundos ou até mesmo publicitárias.

 

 

A Apple activou novamente o seu sistema de recolha de fundos para a Cruz Vermelha, após os sismos que abalaram o Japão e o Equador.

Esta recolha de fundos é efectuada através de uma doação pelo iTunes, e serve para auxiliar financeiramente os esforços da Cruz Vermelha no apoio às centenas de vítimas afectas por esta catástrofe natural.

Na página principal dedicada ao apoio às vítimas, podemos verificar que cada pessoa pode escolher entre um valor pré estabelecido para apoiar a Cruz Vermelha nesta missão de apoio às vitimas dos dois terramotos.

Os valores estabelecidos para apoiar a Cruz Vermelha Americana são: 5; 10; 25; 50: 100 ou 200 dólares. Todas as doações serão na sua totalidade remetidas para a Cruz Vermelha, não existindo qualquer percentagem que fique retida nas contas da Apple. Para além disso, e mais uma vez a comprovar a sua segurança, a Apple refere que não existem dados de quem faça as doações a ficarem retidos ou eventualmente a serem fornecidos para outras situações de recolha de fundos ou até mesmo publicitárias.

A Apple decidiu activar este “protocolo” de auxilio da Cruz Vermelha após as regiões do Sudoeste do Japão terem sido afectadas por dois terramotos por dois dias consecutivos, o primeiro com uma magnitude de 6.2 e o segundo de 7.3. Nestes dois dias foram confirmadas 48 vítimas mortais, e ainda em 48 horas 680 réplicas.

Enquanto o Japão se encontra prevenido com infraestruturas para estes desastres naturais, o Equador não possui qualquer tipo de prevenção portanto em cenário de desastre as consequências serão desastrosas, tal como se verificou dois dias após o terramoto que afectou o Japão.

Um rasto de destruição foi deixado nas zonas costeiras do Equador após um sismo com uma magnitude de 7.8, para além dessa massiva destruição foram vitimadas mortalmente pelo menos 570 pessoas.

A Apple disponibilizou esta semana um novo portal online, o Podcasts Connect, que permite aos criadores de podcasts optimizarem a gestão deste género de conteúdo.

Os criadores de podcasts têm agora uma plataforma nova para submeter um podcasts e ainda gerir os previamente associados ao seu Apple ID. Aliás, é importante mencionar que qualquer pessoa que tenha um Apple ID pode submeter um podcast para avaliação assim que tenham criado um RSS feed e tenha um URL host associado.

A mudança no sistema é enorme e para garantir que todos as pessoas fazem uma transição suave para o Podcasts Connect, a Apple criou uma página de suporte. A página encontra-se dividida nas secções:

  • Iniciar – a Apple dá informações básicas como dicas para criar podcasts e “Boas práticas” para a criação dos mesmos.
  • Submeter Podcast – Os passos para submeter o podcasts que incluem estado da submissão, testar e validar podcast.
  • Gerir Podcast – A empresa oferece relacionados com a gestão dos Podcasts já criados e ainda algumas informações como o Artwork para o conteúdo já criado.
  • Mercado de Podcasts – informação sobre Marketing e a possibilidade de destacar o podcast.
  • Mais Recursos – Aqui os criadores podem adquirir mais conhecimento sobre etiquetas, RSS, canais e categorias.

 

 

Na semana passada a a Apple procedeu a actualizações de dois dos seus serviços que são destinados a audiências diferentes.

Do lado dos programadores, a empresa procedeu a alteração ao CloudKit. A partir de agora esta plataforma suporta pedidos de serviço Web entre servidores, com os developers a poderem facilmente ler e escrever para a base dados pública do CloudKit. Isto pode ser feito através de um process ou script do lado do servidor e em conjunto com uma chave server-to-server.

Até agora a interacção com base dados pública do CloudKit apenas podia ser feita com apps no iPhone, iPad, Mac e web.

Por sua vez, a app iTunes Movie Trailers (que não se encontra disponível em Portugal) foi actualizada para a versão 1.4.2. Para além de um número reduzido de melhorias na estabilidade e performance, a app é agora 100% compatível com o mais recente iPad da empresa, o iPad Pro.

Embora a notícia seja uma desilusão para quem era ouvinte das rádios, há um bom detalhe que está associada a esta novidade: a Beats 1, principal rádio da plataforma irá continuar a ser grátis para todas as pessoas.

A novidade foi dada pela própria Apple (via 9to5mac) através de um e-mail enviado aos utilizadores que costumam tirar proveito desta plataforma baseada em anúncios o que, para sermos mais precisos, apenas acontecia nos Estados Unidos da América e Austrália. O iTunes Radio foi apresentado em 2013 e o serviço teve uma expansão internacional insignificante.

A partir de agora, e tal como acontece com o resto do mundo, as pessoas terão que subscrever à plataforma de streaming de música, Apple Music. Com esta novidade a Apple pretende atingir dois possíveis objectivos. Por um lado pretende migrar as pessoas para um serviço único de streaming de música levando possível até no futuro ao fim do iTunes Radio tal como ele se encontra naqueles dois países. Por outro, e considerando a notícia recente que a Apple pretende alterar a actual plataforma de publicidade de iAd, e sabendo que este serviço grátis era baseado nessa publicidade é possível que a eliminação desta nova opção sirva para reduzir o trabalho por parte da equipa que está em processo de redução.

Não se pode dizer propriamente que estamos espantados com esta notícia. O tão aguardado álbum da cantora britânica Adele tem arrebentado com todas as escalas e esta notícia prova que o seu sucesso não é só em formato físico (CD, Vinil, etc…) mas também no formato digital.

De acordo com informações da Apple fornecidas ao Yahoo, este álbum que apenas chegou ao mercado em Novembro foi o mais vendido este ano enquanto que a música “Uptown Funk” dos artistas Mark Ronson e Bruno Mars foi a de maior sucesso. Na lista de singles, o “Hello” de Adele encontra-se apenas na sexta posição.

Em termos de singles, o top 5 fica completo com artistas famosos como Ed Sheeran’s com a música “Thinking out Loud”, Wiz Khalifa e Charlie Puth com “See You Again,” e ainda duas músicas dos Maroon 5 “Sugar,” e “Shut Up and Dance”.

No que diz respeito aos álbuns, o “25” da Adele é seguido de artistas como Drake, Taylor Swift, a soundtrack do filme “Fifty Shades of Grey” e Justin Bieber.