Como muitos de vós já devem saber a Apple apresentou ontem através de comunicado de imprensa várias novidades. Como sei que é difícil por vezes acompanhar todas as notícias, devido à azafama do dia-a-dia, ou trabalho, ou estudos, e coisas do género, tomei a liberdade de vos elaborar um pequeno resumo.

iPhone (PRODUCT)RED

A primeira delas foi a nova opção de cor para os iPhone 7 e 7 Plus apelidada (apelidada aqui pelo pessoal do iClub como iClub edition). Este iPhone faz agora parte, como alguns dos seus produtos da campanha (RED). Os (PRODUCT)RED da Apple contribuem para o Fundo Mundial de apoio a programas de luta contra o VIH/SIDA. Estará disponível nas opções 128 e 256GB, com os mesmos preços das outras variantes em cores diferentes. Está disponível para encomenda a partir das 15:01 de sexta-feira, dia 24 de março, na Apple Store online.

Ainda no que ao iPhone diz respeito, as novidades não ficam por aqui. O iPhone SE viu-lhe serem atualizadas as suas opções de armazenamento de 16 e 64, para 32, e 128GB.
Importante referir que a Apple não disponibiliza de momento quaisquer prazos de entrega para o iPhone SE.

iPad

Apesar de serem esperadas novidades nos iPad Pro 9,7″ e 12,9″, estes não foram atualizados. A Apple lançou o iPad 9,7″, um sucessor direto do iPad Air 2 ou do primeiro Air. É importante referir, que disse Air 2, e Air, porque ao que parece ele é uma mistura dos dois. Segundo o The Verge, o ecrã deste iPad será o mesmo do primeiro iPad Air, sem ser laminado, e a espessura do tablet também deverá ser a mesma do primeiro Air, o Touch ID, o peso, e algumas características de design são herança do Air 2. A única novidade deste modelo é o seu processador, o A9, que na verdade, não é bem uma novidade visto ser o mesmo que encontramos nos iPhone 6s.
O novo iPad 9,7″ tem um preço a começar nos 419€ versão Wi-Fi, 32GB.
Só estará disponível nas opções 32 e 128GB. Tal como o iPhone 7 (PRODUCT)RED estará disponível para encomenda a partir de 24 de março às 15:01.

Quanto ao iPad Mini, pensava-se que das duas uma, ou iria ser transformado num Pro de 7,9″, ou então ter o seu enterro, mas nenhum destes cenários se veio a confirmar. O iPad mini 2 foi sim, passo a expressão, “enterrado”, descontinuado, e o iPad mini 4 manteve-se como oferta da linha, com as versões Wi-Fi, e Wi-Fi + Cellular, mas apenas na opção de armazenamento 128GB. O preço desta versão sofreu uma diminuição, passando dos anteriores 559€, para os 499€.

Clips

A Apple renovou ainda a linha de braceletes do Apple Watch, apresentando mais modelos nos vários estilos e ainda disponibilizou para compra o seu livro “Designed by Apple in California” na Apple Store Online em Portugal.

Pode ainda ouvir o podcast. especial com um resumo das novidades e a nossa opinião sobre alguns dos produtos apresentados.

A Apple disponibilizou ontem o livro “Designed by Apple in California” em Portugal, anteriormente estava apenas disponível para compra em algumas lojas Apple e na Apple Online Store de países selecionados.

“Designed by Apple In California” documenta 20 anos de design da Apple através de 450 fotografias dos nossos produtos e processos de fabrico. Trata-se de uma história visual que inclui descrições de técnicas e materiais inovadores e capta de forma objetiva todos os detalhes dos produtos, desde o iMac ao Apple Pencil. Impresso em papel alemão de fabrico especial com arestas em prateado mate, utilizando oito separações de cor e tintas que reduzem o efeito fantasma, este livro de capa dura levou mais de oito anos a ser criado e foi concebido com tanta dedicação como os produtos representados nas suas páginas. É um testemunho e uma homenagem aos processos meticulosos de design, engenharia e fabrico que caraterizam a Apple.

O livro está agora apenas disponível online na loja da Apple  em duas versões. A versão mais pequena com um preço de 199€ e a versão maior com um preço de 299€. Os prazos de entrega para as duas versões é de 2 a 3 semanas.

É bem possível que já conheçam esta app, até porque ela é do Facebook, mas acho que merece ser falada. Refiro-me à aplicação Moments, ou momentos, em português, que é, nada mais nada menos do que uma forma simples de partilhar fotografias. “Mas como assim Patrícia? Há mil e uma formas de partilhar fotografias”. Pois há, têm razão, mas se vocês e os vossos amigos utilizarem esta app nunca mais vão haver fotografias perdidas daquela festa ou daquele jantar, porque com Moments vão conseguir partilhar com todos as fotografias que cada um tirou.

Como é que funciona? A app agrupa as fotografias que tens no telemóvel com base nas pessoas que estão nelas e no momento em que foram tiradas. Basta confirmar que o albúm esta correcto (se não estiver é só editar), dar-lhe um nome e está criado um momento. Podes também adicionar mais fotos e claro, adicionar pessoas àquele momento, ou albúm. Desta forma, os teus amigos podem adicionar as fotos deles àquele momento, ficando tudo agrupado.

As fotografias que outros partilham contigo podem ser salvas no rolo da câmara e, além disso,  se quiseres podes partilhá-las diretamente no Facebook ou no Instagram e enviá-las por Messenger.

Nas próximas férias já sabes que aplicação usar para juntar as fotos todas da malta.

André Fonseca e Rogério Moreira juntam-se numa emissão muito especial logo após a apresentação das novidades. O novo iPhone (PRODUCT)RED, a nova linha iPad, as novas braceletes do Apple Watch e claro, o livro da Apple. Fique a par de todas as novidades!

Pode ouvir o podcast no Soundcloud, ou no iTunes.

Confirmam-se os rumores que surgiram nas últimas semanas. A Apple lançou hoje uma nova opção de cor para os iPhone 7 e 7 Plus. Embora o modelo já esteja disponível no site da Apple (incluíndo o português), a Apple Store online ainda não se encontra offline.

O novo produto (RED) tem um acabamento em alumínio vermelho, e é parte da parceria entre a Apple a (RED), uma associação que luta contra a sida. Para Tim Cook, CEO da Apple, “a apresentação desta edição especial do iPhone com um fantástico acabamento vermelho, é a nossa maior oferta de (PRODUCT)RED até à data, mal podemos esperar para os nossos clientes o terem na mão”.

Esta nova opção de cor está disponível no iPhone 7 e iPhone 7 Plus, e estará nas lojas dia 24 de março nos modelos de 128GB e 256GB com preços a começar nos 749$ (ainda não se sabe o preço em Portugal).

Este slideshow necessita de JavaScript.

A easyJet em colaboração com o aeroporto de Gatwick apresentou uma novidade na sua aplicação móvel, desenhado para o ajudar na partida e chegada do seu voo. A novidade, chamada de Mobile Host e apenas disponível na aplicação para iOS combina dados em direto do aeroporto com os detalhes das reservas do passageiro, a sua localização e o tempo do voo para dar atualização e direções em direto ao passageiro no terminal. A novidade está apenas disponível, por enquanto, no aeroporto de Gatwick em Londres.

Uma das principais funcionalidades são os lembretes do check-in, as confirmações da bagagem, as direções dentro do próprio terminal e as indicações das portas de embarque bem como das horas de abertura. Combinando dados do interior do aeroporto fornecidos pelo Google e as atualizações dos dados em tempo real por parte do aeroporto a aplicação promete revolucionar a experiência para quem viaja.

James Millet, da easyJet disse: “Os passageiro podem agora relaxar no aeroporto sem a preocupação de estar sempre a ver os ecrãs à espera das informações do seu voo. Assim que as portas de embarque abrirem, o Mobile Host vai notificar indicado a porta de embarque. Acrescentou ainda que “o Mobile Host é o resultado de uma verdadeira colaboração” entre a easyJet e o aeroporto de Gatwick.

Michael Ibbitson, CIO do aeroporto de Gatwick ainda acrescentou: “Nos últimos anos o aeroporto de Gatwick tem investido muito na integração com outras plataformas para permitir dar dados em tempo real aos passageiros das nossas companhias aéreas.”

O Mobile Host é sem dúvida uma nova experiência na aviação e que promete revolucionar a vida dentro dos aeroportos. Para quando disponível em Portugal?

Quick Response é o significado da sigla QR Code, um conceito que encontrou em força no mercado do utilizador comum em 2003. Só a título de curiosidade, sabiam que  antes de entrar em massa no mercado os QR Codes eram utilizados única e exclusivamente no sector automóvel?

Sim é verdade, estes códigos eram utilizados para catalogar peças no sector automóvel, mas mesmo assim ainda continuamos a poder ver QR Codes nos empresas para catalogar stocks, não existe exclusividade de utilização apenas no sector automóvel.

Bem, certamente que ficam curiosos ao olharem para um QR Code, mas sejamos honestos… ninguém quer ter uma app que só é utilizada de vez em quando. E que não é pelo espaço que ocupa mas sim por ser mais um ícone irritante no ecrã.

A Google pensou nisso e habilitou o seu Google Chrome para iOS com a capacidade de leitura de QR Code sem recorrermos a outra app.

Vamos então ver como podemos ler um QR Code utilizando o Google Chrome do iOS.

Existem duas formas para poder utilizar esta funcionalidade, uma delas suporta os modelos mais recentes dos dispositivos iOS que utiliza o 3D Touch outra já não.

Para começar vão ter de instalar o Chrome para iOS (versão 56.0.2924.79 ou posteiror), que como sabem é gratuito.

Para os modelos que suportam o 3D Touch ao seleccionarem o ícone da app de forma continua irá surgir um menu, no qual uma das opções será “Scan QR Code“. Muito simples como podem ver.

QR Code do iClub

Caso o vosso iPhone não suporte a função 3D Touch, vão ao Spotlight do vosso dispositivo (deslizem o dedo no ecrã principal para a direita e a barra de pesquisa irá surgir).

Já no  Spotlight vão procurar “Scan QR Code” e um dos resultados da pesquisa será a função do Google Chrome que vos leva lá directos.
É apenas isto que tem de fazer para usarem um leitor de QR Code sem terem de utilizar mais uma app, é de salientar que esta função apenas está disponível para iPhone, não funcionando em iPad e iPod.

Podem testar o tutorial com este QR Code que vos irá encaminhar para uma página do iClub.

Um dos maiores trunfos da Apple é sem sobra de dúvida a música, o ecossistema musical tem vindo a crescer a olhos vistos e  hoje vamos dar a conhecer os: Basorexia Army. Para além disso vamos conhecer  o iPhone de Artur Azevedo na rúbrica, “No iPhone de” e ainda vamos ficar a conhecer algumas dicas para iOS.

Outubro 2001, Steve Jobs teve provavelmente o lançamento mais arriscado da história da Apple. Pouco depois dos atentados ao World Trade Center, o famoso 11 de Setembro, Steve mostrava o novo elemento da família Apple.Assim nasceu o iPod, um pequeno dispositivo que facilmente transportava 1000 músicas sem qualquer tipo de problemas. O verdadeiro “MP3 killer”, sim porque depois deste dia os leitores de MP3 tornaram-se velhos, obsoletos e fora de moda. A música portátil passou a ser um “fixe”, um dispositivo que dava vontade de mostrar para todos o verem, um dispositivo que levou ao nascimento do iTunes e posteriormente à Apple Music. Esta evolução musical, a possibilidade de sair do anonimato levou a que muitos tivessem possibilidade de divulgarem o seu trabalho de uma forma mais acessível, com a colocação dos seus álbuns no iTunes, automaticamente disponível a nível global.

Graças a esta partilha de informação sem fronteiras e sem qualquer tipo de restrições, conhecemos uma banda que já conta com dois álbuns lançados, e que nos apresentam um a variante de música Pop, Electrónica e Rock.

Afonso Martins e Hugo Grave são os Basorexia Army, uma banda que nasceu como qualquer outra pela paixão e gosto pela música. Este dois amigos não são uma caso isolado no panorama músical nacional, existem inúmeras bandas que batalham para conseguir aquilo que Afonso e Hugo conseguiram, falo de 2 álbuns de originais.

O primeiro EP lançado pela banda em 2013 intitulou-se “EP 001“.

Episódio 1, o primeiro capitulo, os primeiros passos da banda no panorama musical com o projecto Basorexia Army e quando os seus fieis seguidores aguardavam o lançamento do segundo álbum o qual esperavam que fosse o segundo capítulo, ou seja o EP 002 surgiu a surpresa.

A maturidade da banda, o crescimento sonoro e novamente um álbum com novos originais fez com que houvesse uma necessidade de um nome mais adulto e que demonstra-se a evolução do grupo

Assim nasceu o “Two sides of a broken heart“, um álbum que veio satisfazer a necessidade de crescimento da própria banda assim como a dos seus seguidores de terem novo conteúdo.

Não podemos considerar os Basorexia Army como sendo uma banda de garagem, pois já pisaram palcos de norte a sul do nosso país, possuem dois álbuns e uma pequena legião de fieis seguidores.

Nos próximos meses poderão ver os Basorexia Army em acção em alguns concertos que têm já agendados: no dia 25 de Março no Festival Santos da Casa em Coimbra, e na Associação Cultural Mercado Negro (Aveiro) no dia 27 de Maio. Poderá também encontrá-los no Facebook, YoutubeiTunes, no Spotify e no SoundCloud.

Este vigésimo episódio é um marco na nossa história. Com este vigésimo episódio damos oficialmente inicio à segunda temporada deste podcast. Mas o que significa isso? Será uma temporada onde temas como empreendedorismo, música, rumores e atualidade Apple, dicas e lifestyle serão os ingredientes deste nosso recomeço.

Mas porquê falarmos de música?

Existe muita música boa em Portugal, tem de se dar reconhecimento e valor ao esforço que estas bandas tem para conseguirem atingir não a fama mas o sucesso.

Os Basorexia Army são a primeira banda a ser falada no iClub, e eu como apaixonado por música pretendo dar reconhecimento a estas novas sonoridades que estejam presentes no iTunes.  Para tal se têm uma banda que esteja presente no iTunes e a querem divulgar no panorama nacional entrem em contacto com o Podcast do iClub para o seguinte email: podcast@iclub.pt.

O Podcast do iClub está ligado à comunidade Apple. Mais do que as notícias e as visões pessoais sobre os assuntos mais recentes temos ainda dicas exclusivas e muitas surpresas. O Podcast do iClub chegou para o ajudar a tirar o máximo proveito do seu iPhone, iPad, Mac, Apple Watch e Apple TV e divulgar projetos nacionais interessantes, que envolvam tecnologias igualmente interessantes e pioneiras. O podcast está disponível para download via iTunes, SoundCloud ou no Youtube.

A 9 de Setembro de 2015 a equipa maravilha da Apple subia ao palco para nos apresentar o iPad Pro e o Apple Pencil. A versão profissional do iPad que nos trazia este acessório para optimizar e melhorar a experiência com o dispositivo. Mas há um “se não“, que é o método de carregamento que a empresa desenvolveu o Apple Pencil.

Sejamos honestos, no meio de toda aquela tecnologia, aquela não foi a maneira mais inteligente que a Apple poderia ter arranjado para carregamento do dispositivo. Para quem não sabe, ou não se recorda, o Apple Pencil carrega a sua bateria pelo próprio iPad. Na parte superior da caneta da Apple existe uma ligação Lightning que quando conectada também pela ranhura de carregamento do iPad Pro recarrega o acessório.

Esteticamente e visualmente não fica nada agradável ver o iPad e o Apple Pencil ligados um ao outro. Por esse motivo a Apple já tenta resolver esse “problema” para as próxima gerações.

Foi registada uma patente, que nos revela o nova potencial forma de carregamento do Apple Pencil. A imagem que vos apresento em seguida é bastante explicita em relação ao futuro do acessório.

Como podem reparar a intenção da Apple é colocar a “caneta” a carregar directamente pelo Smart Connector na parte lateral do dispositivo. Algo que até tem bastante lógica. Este sistema revela a solução para outro “problema”, que seria onde guardar o acessório quando o mesmo não está a ser utilizado.Aguarda-se também uma nova geração de Apple Pencil num futuro próximo, no momento em que se especula também como será o próximo iPad Pro.

Aqui no iClub queremos ter a certeza de que está tudo bem com a sua saúde. Já lhe sugerimos apps de desporto, de medicação, de análise do sono… E esta semana trazemos a sua atenção para a Mimi Hearing Test, que como o próprio nome indica, é uma ferramenta para testar a sua audição.

Este teste auditivo fornece informações sobre a capacidade auditiva de cada ouvido e demora apenas 6 minutos. Através de tecnologia avançada, Mimi testa a sua audição entre 250 Hz – 8 kHz e transforma os dados complexos em informações fáceis de entender.

A aplicação relembra-o de fazer novos testes para que possa ir acompanhando a evolução da sua audição. Feito o teste, pode imprimir e partilhe o seu audiograma com o seu médico.

Além da componente de teste, a aplicação também oferece dicas práticas que pode incorporar na sua vida para melhorar a sua capacidade auditiva.